Categorias

recent posts

5 dicas para adquirir o hábito da leitura





1.       Não postergue, comece!


Um dos erros mais comuns que cometemos – não somente com a leitura mas em muitas outras áreas da vida – é postergar tudo que queremos fazer. Quem nunca teve aquela vontade de começar uma dieta ou mudar os hábitos alimentares, mas sempre arruma uma desculpa para começar em uma segunda feira que nunca chega? Com a leitura é a mesma coisa. Se ficarmos encontrando defeito, ou esperando o dia perfeito chegar, nossa vontade nunca sairá do papel. Então, minha dica para você é: COMECE! Seja por um livro, um jornal ou até mesmo o encarte do supermercado, o número de páginas não importa, o primeiro passo é começar. Depois com o tempo vai aumentando gradativamente o ritmo da leitura.




2.      Leve o livro com você



Essa é uma dica muito importante, e que fez muita diferença para mim. Nossos dias são tão corridos e parecem tão curtos, que fica muito difícil encontrar o horário ideal. Na maioria das vezes acabamos por priorizar outras tarefas e deixamos a leitura de lado para quando encontrar tempo, e acaba que o tempo nunca chega. Levar o livro onde for facilita esse exercício. Quantas vezes ficamos sem nada para fazer em uma fila de banco, no intervalo da escola/faculdade ou esperando alguma consulta? Esses minutos preciosos podem ser aproveitados lendo um livro.


3.      Dê uma chance aos e-books


Sei que muitos acharam a dica 2 muito complicada, muitas vezes os livros são pesados, não cabem na bolsa e fica difícil de levar embaixo do braço. Justamente por isso temos a dica número 3: De uma chance aos e-books. Hoje em dia temos um mundo de opções online para facilitar a vida da gente. Eu por muito tempo tive restrições com leitores digitais e e-book em celular, até ganhar um leitor digital de aniversário (). Resolvi dar uma chance e foi uma grata surpresa. Ele é fácil de ler, leve e fininho e cabe em qualquer canto. Levo para onde for. Com ele só em 1 mês consegui ler 3 livros, o que não é muito fácil tendo um blog, um bebe de 1 ano, trabalhando o dia todo e fazendo fotografia aos finais de semana. E pra quem não tem interesse no leitor digital, o celular pode ser um grande aliado nesse momento. Existem muitos apps gratuitos que facilitam e muito a leitura. Vale a pena experimentar.

4.      Aprenda a desistir do livro


Ler um livro forçado é o maior veneno para quem quer se iniciar no mundo da leitura. Eu mesma já me obriguei algumas vezes a terminar um livro que eu não gostei só por ter começado, e acabou que a leitura não fluiu, a história se tornou maçante e arrastada, demorei meses para conseguir terminar e mais alguns meses pra ter coragem de começar a ler novamente. Foi uma ressaca daquelas. Com o tempo aprendi que temos que achar a nossa história. Se o livro que você escolheu não era aquilo que esperava ou não fluiu, não se obrigue, aprenda a desistir e parta para outra.

5.      Estabeleça uma meta


Na maioria das vezes as metas servem como um estimulante pra conseguirmos chegar aos nossos objetivos. Acho que para que está iniciando na vida de leitor, e ainda está organizando a vida e encontrando horários, as metas serão de grande ajuda. Mas, cuidado! Estabeleça metas que você sabe que vai poder cumprir. Metas absurdas podem ter o efeito contrário, e te desmotivar. Eu comecei a minha com 20 páginas por dia, e fui aumentando gradativamente. Acho que é um número razoável e fácil de se atingir.

DICA BÔNUS!


6.      Faça parte de uma rede social para leitores


Sim, existem redes sociais voltadas para os amantes de livros. O legal de fazer parte é que você consegue traçar metas de leituras, fazer listas, marcar o que já foi lido e ler várias indicações e resenhas de outros leitores. Eu particularmente gosto muito do skoob, porque além de tudo isso, é possível trocar livros com os outros usuários.



Então é isso pessoal, espero que tenham gostado das dicas e que elas ajudem a mudar/adquirir o hábito da leitura de vocês!



Pelo que você é grato?


Se sua resposta foi pela temporada nova da sua série preferida, ou pela coleção nova da sua marca de makes amada, esse post é pra você que precisa urgentemente dar valor às coisas mais importantes da vida.
Não estou tentando fazer drama, até porque não é o meu estilo preferido, mas hoje me peguei pensando em uma cena que presenciei um tempo atrás e que acho que merece e necessita ser compartilhada.

Eu estava passando pelo corredor do Hospital em que trabalhava, quando ouvi um homem reclamando da demora do atendimento. Relatou que consulta uma vez ano ano, e que todas as vezes precisa esperar a manhã toda pela chamada. Até aí tudo bem, estava acostumada a ouvir coisas piores. O que me surpreendeu foi a voz fininha que veio de trás de mim, perguntando: Pelo que o Senhor é grato? – Virei pra trás e me deparei com uma menina loirinha de aparentemente 12 anos de idade, presa à uma cadeira de rodas. Ela tinha o corpo muito magro, olheiras e um inchaço maior do que o normal no olho direito. O homem olhou confuso, sem entender a pergunta, então a menina começou o relato:


"Há quatro anos me trato aqui, e venho de 2 à 3 vezes na semana. Às vezes espero a manhã toda, outras o dia todo. Mas, no entanto, sou grata. Tenho o melhor atendimento das meninas da recepção, um carinho especial dos médicos, todo o tratamento e medicação de que preciso. O Senhor vem uma vez por ano, deve estar recebendo alta, isso é muito bom. Concluiu seu tratamento, deve estar praticamente curado, uma benção. Muitas pessoas em situação pior do que a nossa, sonha em ter essa oportunidade de poder se tratar, dariam tudo para esperar 12, 15 horas se for preciso por um atendimento que lhes dê o mínimo de esperança e as medicações necessárias, mas estão morrendo em filas de espera. Nós somos privilegiados e no entanto vivemos reclamando. Então eu lhe pergunto novamente: Pelo que o Senhor é grato?"



Isso me fez pensar muito em como estamos vivendo. É muito fácil dizer que está perdendo a fé na humanidade (eu falo muito isso). Mas, como reclamar de algo que nem eu levantei a mão para mudar?

Reclamar virou uma rotina. Eu reclamo muito. E eu sei que você reclama também. Na maioria das vezes de coisas ridículas e que nenhum de nós lembra por que. É só pelo simples prazer de reclamar mesmo, porque já acordamos no automático.

Precisamos agradecer mais pelo que temos. Por exemplo, antes de reclamar e xingar o tempo todo por causa do atraso de uma consulta, e que fique bem claro que não estou defendendo as filas absurdas do sus, podemos pensar que vamos ter aquele atendimento, e que muitas pessoas em situações muito piores do que a nossa, não terão essa oportunidade.

Não estou dizendo que devemos nos tornar pessoas conformadas. Apenas mais humanos. Reconhecer o que temos de bom e não ver só o que está ruim.

 É que nem a história das necessidades humanas, que vi recentemente na faculdade. Quando nossas necessidades básicas são supridas, outras surgem no lugar e continuamos nesse ciclo vicioso sempre querendo mais e mais e mais. Ter ambição não é errado, colocar isso acima de tudo e de todos é que é extremamente prejudicial. Acho péssimo quando isso toma conta da gente, e não conseguimos enxergar nada além de nós mesmos e o que a gente quer.

 Muitas vezes acabamos não vendo as coisas maravilhosas que já temos. Geralmente descobrimos o quanto éramos felizes quando já perdemos. Isso é uma realidade que deve mudar.

 Eu sou grata por muitas coisas. Pelo presente de Deus que foi o meu filho,  ter um emprego e saúde pra poder cuidar dele, poder fazer a minha faculdade, ter conhecido todas as pessoas maravilhosas que passaram pela minha vida até hoje. Ter uma família que, por mais rabugenta que seja, sempre me apoia. E muito mais, mas se eu continuar, o post vai virar um livro.

 Acordar todas as manhãs e saber que eu posso contar com tudo isso é maravilhoso. Então, agora eu pergunto a vocês: ? Pelo que vocês são gratos?

Nunca deixe de acreditar



Eu passei muito tempo pensando se fazia ou não um post “inaugural” para o blog. Coloco as aspas porque já comecei e terminei blogs mais vezes do que passei nas provas de matemática do colégio. Sou uma fã confessa de blogs e youtube, acompanho muitos produtores de conteúdo e vi muitos blogs e canais crescendo. Sendo assim, resolvi finalmente parar e me perguntar: Por que não eu? Tenho um amor especial por fotografia, livros, séries e pelos textos que escrevo. É algo que eu amo fazer, e que me dá prazer. Então porque eu começo... e desisto no meio do caminho? Auto sabotagem.

Depois de muito tempo de autoanálise, músicas inspiradoras e vídeos de autoajuda, cheguei à conclusão de que o meu problema é a maldita da insegurança. Esse sentimento de que não sou boa o bastante para competir com os blogs consolidados, estou gorda demais para gravar vídeos ou que ninguém vai se interessar pelo que eu escrevo. Isso me consumia. Até eu perceber que a minha mente estava funcionando da maneira errada.

Pensar nos blogs ou canais como uma competição está errado. Começar algo pensando em ganhar qualquer coisa em troca também está errado. A gente tem que fazer o que gosta e porque gosta, porque faz bem. E, se crescer e te der retorno, agradeça. É a consequência da nossa dedicação. Mais errado ainda é pensar que não somos bons ou dignos o bastante para fazer qualquer coisa que seja. Todos somos bons em alguma coisa, uns com mais talento que os outros, mas bons à sua maneira.

Outra conclusão que cheguei com essa minha terapia à moda miguelão foi que existem 4 coisas que são essenciais para se conseguir fazer o que quiser: paciência, estudo, dedicação e fé. Porque se você não acreditar, não vai chegar a lugar algum.

Por isso estou aqui hoje, abrindo meu coração para vocês. Por isso eu criei esse blog, e por isso eu não vou desistir. Não dessa vez. Porque eu acredito. E você?